Ώρα  11 ώρες 20 λεπτά

Σύνολο σημείων 2090

Uploaded 23 Μαΐου 2018

Recorded Μαΐου 2018

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
1.623 m
298 m
0
5,8
12
23,28 χιλιόμετρα

1642 εμφανίσεις, 48 αποθηκεύσεις

κοντά στην περιοχή Senhora do Rosário, Madeira (Portugal)

FOTOS DESTA E DE OUTRAS TRILHAS EM ”CAMINHANTES"

O trilho tem por base o traçado do MIUT 2018, realizado em sentido inverso e dividido por seis etapas em autonomia. Teve como ponto de partida o Aeroporto da Madeira, em Santa Cruz e segue para norte até Porto Moniz ao longo de veredas, levadas e caminhos florestais.
Vamos tentar mostrar como cinco caminhantes se propuseram fazer a travessia total da Ilha da Madeira em seis dias, cerca de 120Kms, num sobe e desce constante, com um acumulado impressionante, um verdadeiro desafio às capacidades físicas e mentais para quem planeia umas atividades mais arrojadas no futuro. Antes de mais queremos salientar o facto de se tratar de um percurso “DIFÍCIL” para ser realizado em seis dias e “MUITO DIFÍCIL” para ser realizado em autonomia durante seis dias em condições meteorológicas adversas, chuva e vento por vezes forte que tornaram a progressão difícil devido ao estado do terreno, como foi o caso. Tenham isso em atenção, porque em certas alturas do ano com pessoal inexperiente ou menos preparado fisicamente pode tornar-se uma atividade perigosa… Mesmo assim e como já somos batidos nisto :-), lá fomos nós, como manda a regra em autonomia (para quem não sabe o caracol é o melhor exemplo… ou seja com tudo as costas, casa, cama, comida, roupa, etc.).
O trilho realizado percorre parte de alguns PR`s da ilha, principalmente veredas e levadas no entanto são usados caminhos florestais e de pé posto sem marcação sendo obrigatório o uso de gps. Alerta-se para o facto de alguns troços terem sido abertos para o MIUT 2018, os quais poderão estar fechados por vegetação noutra altura do ano.

TRILHAS DAS ETAPAS
ETAPA 1/6
AEROPORTO DA MADEIRA - POSTO FLORESTAL DOS LAMACEIROS
ETAPA 2/6
POSTO FLORESTAL DOS LAMACEIROS - CASA DO BURRO
ETAPA 3/6
CASA DO BURRO - PICO FURÃO
ETAPA 4/6
PICO FURÃO - VARGEM
ETAPA 5/6
VARGEM - POSTO FLORESTAL DO FANAL
ETAPA 6/6
POSTO FLORESTAL DO FANAL - PORTO MONIZ


TRILHA COMPLETA
TRAVESSIA TOTAL DA MADEIRA EM AUTONOMIA


ETAPA 5: VARGEM - POSTO FLORESTAL DO FANAL

PERCURSO: PERCURSO: Vargem - Levada do Pacinho - Levada do Plaino Velho - Chã das Poças - Estanquinhos - Fontes Ruivas - Fanal
TIPOS DE CAMINHO: Estrada - Vereda - Levada - Caminho Florestal
DISTÂNCIA: 23.3kms
DURAÇÃO: 11h20min
TEMPO EM MOVIMENTO: 7h34min
TEMPO PARADO: 3h46min
MOVIMENTO MÉDIO: 3.1kms/h
ACUMULADO POSITIVO: 2325m
ACUMULADO NEGATIVO: 1684m

Penúltima etapa, que consideramos a mais longa e dura da travessia. O dia nasceu cinzento com nuvens carregadas nas cumeadas, há que desmontar rapidamente o acampamento para evitar a água da chuva que a qualquer momento irá cair. Uma vez mais aproveitamos o alpendre da casa para o mata-bicho do despertar. Estomago aconchegado, tudo arrumado, mochilas às costas, agradecimentos feitos ao proprietário do terreno e pés ao caminho!... Seguimos a vereda em direção à Levada do Pacinho, percorremos durante alguns metros e viramos à esquerda, seguindo o trilho que se desenvolve por entre uma floresta de transição, onde predominam exemplares da floresta exótica, atravessamos a Ribeira da Vargem e seguimos até à interseção com o PR17 Caminho do Pináculo e Folhadal. Aqui, seguimos o PR pela direita. Ao longo do percurso, em dias de céu limpo, pode-se observar uma magnífica paisagem sobre o vale de São Vicente, as levadas construídas para o transporte da água e os túneis abertos na rocha para trazer a água do lado norte para o lado sul da ilha. O trilho segue ao longo da levada, no entanto em alguns pontos deixa-se de a acompanhar passando a percorrer a vereda empedrada. Chegando ao topo da vereda na zona do Pináculo vislumbra-se uma magnífica paisagem sob o vale da Ribeira Brava e ao fundo a Cordilheira Central onde se destacam o 1º e 2º mais alto da Madeira – O Pico Ruivo (1861m) e o Pico do Areeiro (1817m), infelizmente não nos foi possível contemplar as espetaculares vistas devido ao denso nevoeiro, ficamos pelo devaneio do momento.
Seguindo o trilho, atravessamos a Ribeira Seca, onde foi possível contemplar uma magnífica cascata, passamos por Chã das Poças e intersetamos a estrada regional ER208, que não é mais do que um estradão florestal de terra batida que sobe a encumeada até aos 1580 metros no Posto Florestal de Estanquinhos. A chuva miudinha e gélida persiste, aproveitamos o beiral da Casa Florestal para confecionar a sopa, que uma vez mais, quente aconchegou a lama.
Retomando o caminho, a instabilidade do joelho que persistia desde o dia anterior num dos elementos do grupo condicionou a progressão levando à desistência de três dos elementos do grupo. Viajaram de táxi para Porto Moniz, pernoitaram na Pousada da Juventude e aguardaram a chegado, no dia seguinte, dos outros dois elementos que continuaram a travessia.
O trilho continua por caminho florestal ingreme e escorregadio devido à chuva, passa por Fontes Ruivas e segue vereda abaixo para Levazes, uma descida dos 1500 metros para os 310 metros em quatro quilómetros, uma dureza para os joelhos, considerando a mochila de 13 quilos. Como tudo o que desce acaba por subir, lá voltamos a subir acentuadamente a vereda que sai de Levazes em direção ao Fanal. Sempre a subir, a chuva mantinha-se como companhia, a visibilidade era reduzida, impedindo de contemplar toda a beleza da envolvência do momento. Já muito próximo do planalto encontramos obras de manutenção da vereda, estavam a recuperar e a construir alguns degraus para ajudar a vencer o acentuado desnível da vereda. Insere-se em área de coberto florestal originário da Madeira, em exuberante estado de conservação e desenvolvimento, floresta Laurissilva classificada de Património Mundial Natural pela UNESCO, desde Dezembro de 1999 e integrante da Rede Europeia de Sítios de lmportância Comunitária - Rede Natura 2000.
Intersetamos o PR13 Vereda do Fanal e na zona conhecida como sítio do Fio, pode-se apreciar o trabalho engenhoso de instalação de cabos para transporte de lenha e matos recolhidos na zona do Fanal, para a atividade agropecuária dos habitantes do Chão da Ribeira e Seixal.
Continuamos pelo PR13 até à zona do Fanal, chuva, muito nevoeiro e vento impediram-nos de aproveitar a magnífica zona do Fanal. Trata-se de uma pequena caldeira vulcânica, classificada de "Reserva de Repouso e Silêncio" pelo Parque Natural da Madeira, onde é possível usufruir de um momento de puro relaxamento. Aqui, a sua beleza reside não só nos imponentes e centenários bosques de tis (Ocotea foetens), realçando-se alguns exemplares que resistem desde o descobrimento da ilha, como também as espectaculares paisagens visíveis desde os miradouros, que terão de ficar para uma próxima incursão em que o sol seja companhia.
Junto ao abrigo do Fanal montamos acampamento, ainda tínhamos brasas na lareira do abrigo, aproveitamos para nos aquecer e secar a roupa do corpo, jantamos e recolhemo-nos à tenda para dormir pois o dia tinha sido longo, consideramos esta a etapa mais dura da travessia.


Ver site sobre percursos pedestres recomendados na madeira: http://www.visitmadeira.pt/pt-pt/o-que-fazer/atividades/pesquisa/madeira/atividades/percursos-pedestres-recomendados
Waypoint

5ºDIA VARGEM

Waypoint

LEVADA DO PACINHO

Waypoint

RIBEIRA DA VARGEM

Waypoint

LEVADA DO PLAINO VELHO

Waypoint

RIBEIRA SECA (CASCATA)

Waypoint

CHÃ DAS POÇAS

Waypoint

POSTO FLORESTAL DE ESTANQUINHOS

Waypoint

FONTES RUIVAS

Waypoint

BIFURCAÇÃO CHÃO RIBEIRA/SEIXAL

Waypoint

LEVAZES (ÁGUA)

Waypoint

VEREDA DO FANAL

Waypoint

POSTO FLORESTAL DO FANAL

1 comment

  • DiogoHiker 30 Ιουν 2018

    Obrigado pela partilha. Já está nos meus favoritos!

You can or this trail